BH Nostalgia: Janeiro 2009


domingo, 25 de janeiro de 2009














Cine Metrópole
Funcionou de 1942 até ser demolido em 1983. O cartaz da foto era o drama mexicano "O Direito de Nascer".
Foto de 1971.













Teatro Municipal

Construído em estilo eclético em 1906, na Rua da Bahia esquina com Goitacazes, deu lugar, em 1942 a uma "obra melhor e mais moderna", como disse na época o prefeito JK, surgindo o Cine Metrópole.
Foto da década de 1930.
Vista parcial

Nesta vista aérea, vemos em primeiro plano a Santa
Casa de Misericórdia, na Avenida Francisco Sales
esquina com Avenida Brasil. Mais ao fundo, vemos o Colégio Arnaldo.Foto de 1953.













Igreja de São Sebastião

Interior da Igreja de São Sebastião do Barro Preto.
Foto da década de 1940.
















Lançamento da Pedra Fundamental da Igreja de São Sebastião do Barro Preto

Neste local, na atual Avenida Augusto de Lima, foi erguida a igreja.
Foto de 1929.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009



















Vista do Centro

Vista aérea do Centro, tendo em primeiro plano a praca Raul Soares ainda sem as árvores frondosas de hoje. Vemos também o Mercado Central ainda descoberto, tendo na sua lateral um lote que funcionava como estacionamento de carrocas e caminhonetes. Ao longo das ruas Tupis e Padre Belchior vemos o Córrego do Leitão ainda não pavimentado.
Foto da década de 1960.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009














Derrubada do Cine Metrópole

A edificacão, construída em 1906, abrigou o Teatro Municipal até 1939. Em seguida foi reformada, deixando de exibir o estilo eclético da arquitetura anterior para destacar aspectos do Art Déco. Em 1942 foi reaberta como Cine Metrópole. Em 1983 foi demolida pelo Banco Bradesco sob protesto da sociedade civil, que tentou , em vão, interromper o processo, alegando a relevância histórica e arquitetônica do prédio. O processo foi polêmico, mobilizando representantes do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico. Há alguns anos, o Bradesco, como forma de "compensar"a perda, fez doacões à Secretaria de Estado da Cultura, viabilizando, assim o surgimento do Teatro Klauss Viana. Instalado na antiga sede da Telemig, atual Oi, o espaco com 370 lugares foi perdendo ao longo dos últimos anos a ligacão com a comunidade artística e o público da capital, passando a ser usado para conferências e apresentacões esporádicas. Entretanto, há promessas recentes de que o espaco será utilizado brevemente da maneira a que fora proposto.
Foto de 1983.